terça-feira, 15 de agosto de 2017

por uns fios


o vento dita o ritmo e a cadência
e as folhas simplesmente dançam.
simples, não mentem.
sentem e dançam.

há quem passe e não ouça.
há quem veja e não sinta.
invisível, ele continua soprano,
acariciando as dançarinas com sua brisa piano.

embaladas por essa valsa de liberdade,
bailam gozando a sinfonia da própria verdade.
a cada face virada, uma cor
e não há quem ouse julgar as raízes desse amor.

não seria lição pro nosso coração,
esse sorver a vida e fazer canção?
folhas no fio frio a nos chamar
pra sentir o calor do amor e dançar.


quinta-feira, 10 de agosto de 2017

romance.







ainda quero...


eu queria poder mudar seu olhar,
mudar o jeito de você me enxergar.
e mostrar que eu posso ser além de amiga,
que podemos juntos redescobrir a vida.

queria poder mudar essa coisa toda...
não aqui, mas aí.
levar-me de outro jeito pra dentro de ti
e te presentear com isso que me fazes sentir.

queria poder te ver sem trabalhar,
e te abraçar sem ninguém pra observar,
te ouvir falando só pra mim.
queria mostrar querer e ser querida assim.

terça-feira, 1 de agosto de 2017

era ontem, é hoje, será amanhã.

não, não foi amor à primeira vista,
porque em todo o tempo eu sabia que já te conhecia.
trouxestes de volta a memória dos meus olhos,
e o meu sentir se lembrou de já ter decodificado o teu.

e é assim, sabendo que esse reencontro enfim se deu,
que sigo a viver, sabendo que sempre fui teu.
quando a poeta disse que "já era amor antes de ser",
ela sabia que eu te veria e lembraria de todo um viver.





terça-feira, 27 de junho de 2017

insone.



imaginei luzes em ribalta, desfiz as malas
deixei três gavetas pra você no armário,
coloquei na vitrola aquele nosso bolero
espalhei flores amarelas no nosso quarto

enquanto a música tocava
fui bailarina em noite de gala,
dançando ao som das nossas risadas
compondo pra Chico, te chamando de casa

um descuido com a métrica e a rima cessou.
a verdade não dita das palavras perdidas
calou a canção que tocava no céu.
o teto caiu, o chão ruiu.

acordei com a música arranhada, o vinho ainda na taça.
o escuro chegou, apagou minhas luzes
e tem esse frio que entra 
pra lembrar que esqueci a porta aberta.

e agora, onde está sua voz neste silêncio que me despe?
e o calor do seu abraço, que aconchega a nudez da minha alma? 
sem o seu olhar, bussola do meu caminho
me diz agora, como andar assim, sozinho?

 porque sua chegada não foi anunciada, 
a partida também precisa ser assim?
você chegou sem hora marcada
e agora pára o tempo ao sair de mim.

tudo foi um sonho que irrompeu a madrugada?
ou um pesadelo pra me roubar o sono?
acordei e estou aqui pensando se fico ou se abandono
essa ideia de sonhar com esse amor insano.



sexta-feira, 9 de junho de 2017

o sempre de hoje é dia





 sempre tem aquele dia que a gente não quer que amanheça.

pede pras horas correrem rápido,

torce por um hiato, um eclipse, um lapso

e reza com toda fé pra que logo anoiteça



mas a gente sabe que mesmo que isso aconteça,

o dia não finda dentro do peito

permanece o sol desértico, esse clima árido

que castiga e impede que a dor adormeça



e então a gente descobre que não tem álcool

que apague esse fogo que arde,

chama posta sobre madeira nobre

que queima devagar, sem fazer alarde.



sempre tem aquela noite que se faz dia

que não deixa sonhar os sonhos que a gente queria.

a alma confusa, a cama vazia

e a gente puxa o edredom, mas a pele continua fria.

quarta-feira, 7 de junho de 2017

maravilha (é ser) mulher









muito mais que retratar uma história dos quadrinhos, MULHER MARAVILHA se faz uma sinopse da vida de muitas mulheres. é uma mensagem sobre acreditar em si mesma e aprender a não duvidar da própria força. saber que às vezes a vida te surpreenderá com perdas que doerão na alma. entender que nem sempre você vai corresponder às expectativas das pessoas q vc ama, e vai precisar escolher entre apropriar-se da própria vida ou continuar deixando-a nas mãos de alguém. sobre não fugir daquilo que te move e dar lugar à coragem para sair da zona de conforto e "navegar em mares nunca dantes navegados" até o mundo que você desconhece, mas que sabe estar à sua espera. sobre fazer a diferença nesse mundo, a despeito dos disfarces e anseios de uma sociedade que te quer calada e omissa. sobre aceitar e enfrentar o desafio de sobressair, liderar, e sentir que as pessoas só acreditam em você depois de vê-la em ação e, apesar disso, saber esperar o momento certo de se mostrar. entender que nem todas as batalhas são suas e que às vezes é preciso continuar a caminhada mesmo q as circunstâncias te desmotivem. sobre ser traída por quem parecia querer ajudar. e, acima de tudo, uma lição sobre o amor. esse amor forte capaz de mudar o mundo - o próprio mundo e esse outro em que estamos todos inseridos. e saber que a força do amor é suprema à qualquer investida de guerra, inclusive àquela q travamos em nós mesmos. sobre saber que a sensibilidade inerente à mulher, que a torna capaz de viver esse filme diariamente,  faz dela  'mulher maravilha'  todos os dias.